Criolasdodas.com
Welcome
Login / Register

Lisboa: Mário Lúcio diz que Bana é o eterno eco das nossas ilhas 03 Abril 2012

Lisboa: Mário Lúcio diz que Bana é o eterno eco das nossas ilhas 03 Abril 2012

“Bana é o ministro maior do que todos os ministros porque é eterno em cada um de nós e no eco das nossas ilhas”, afirmou o ministro da Cultura de Cabo Verde, Mário Lúcio numa mensagem lida pela Embaixadora de Cabo Verde na entrega do “Prémio Carreira Cabo Verde Música Awards”, num espectáculo celebrativo do seu octogésimo aniversário e de uma vida a cantar, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

Lisboa: Mário Lúcio diz que Bana é o eterno eco das nossas ilhas

Tito Paris abriu o concerto e Bana encerrou-o com um espectacular dueto com o fadista português Carlos do Carmo, em “Beijo de Saudade”, de B.Leza, em português e crioulo.

Foi considerado o “embaixador da morna em Portugal e da diáspora” e recebeu por isso, o prémio “Voz da Lusofonia” em nome de 35 cidades de língua portuguesa (UCCLA), espalhadas pelos quatro continentes do mundo.

Bana, emocionado, disse não ter palavras para agradecer e recordou que Mário Lúcio, quando foi nomeado ministro lhe fora dizer pessoalmente, em sua casa: ”Bana já consegui!”, pois tal facto tinha sido uma premonição e um desejo que havia, antes, em Cabo Verde, formulado ao também artista e agora ministro da Cultura.

O próprio ministro recordou, na mensagem lida pela embaixadora Madalena Neves, que “Cabo Verde tem vários memoráveis desde Eugénio Tavares a Amílcar Cabral (...) No dia em que me ofereceste uma camisa branca, eu fui a tua casa...disseste que a prenda que te daria, aos 80 anos, era eu ser ministro... És o maior de todos os ministros (...)”

O “rei das mornas” como também é conhecido, recebeu ainda uma placa comemorativa, com o nome de todos os artistas que participaram neste evento, entregue por Luís Fortes, um dos impulsionadores desta homenagem, a viver na Holanda, e que foi o portador do “Prémio Carreira 2011”, atribuído em Cabo Verde.

O artista, embora fragilizado, continua com uma voz potente e maravilhosa com que saudou o público com sete interpretações, e que o aplaudiu numa das principais catedrais da música em Lisboa.

O espectáculo, longo, e acompanhado por uma orquestra sob a batuta do maestro Albertino Monteiro, Toi Vieira ao piano, Armando Tito à guitarra entre outros músicos, teve momentos altos com Lura a cantar ao desafio com Bana uma coladeira.

Outro momento alto foi com o popular Jorge Neto. Um dueto que colocou o público dançar e uma audiência ao rubro com a sua interpretação “Rosinha”.

Também uma das mornas, muito apreciada Portugal “Maria Barba” interpretada por um jovem, Jorge Batista da Silva, com voz de tenor, foi vivida com intensidade com muitas pessoas a entoá-la.

A “performance” desta homenagem ao cantor Bana, que celebrou 80 anos 11 de Março, foi concretizada as vozes já célebres de Nancy Vieira, Celina Pereira, Titina, Leonel Almeida, Luís Fortes (Holanda) Coimbra, Dany Silva, José Rui de Pina (EUA). Também com o “entertainer” José Gonçalves ou “Juca” (Holanda) que protagonizou vários momentos de humor.

O público era heterogéneo. Tinha personalidades cabo-verdianas e portuguesas além de outros estrangeiros que nesta altura do ano visitam Portugal e frequentam os concertos. Havia também jovens, descendentes de várias ilhas, que nunca tinham visto Bana ao vivo e que ali se deslocaram pela primeira vez.

Bana que só cantou no fim do espetáculo (que começou com uma hora de atraso), protagonizou de forma natural, entre o povo, momentos comoventes, aquando da sua entrada ao atravessar a plateia, e mais tarde quando a voltou a pisar para subir ao palco. Foram muitas as pessoas que dele se abeiravam para o saudar, envolvendo-se com flores e bênçãos.

Celina Pereira e João do Rosário, os apresentadores deste espectáculo, falaram do artista, natural de S. Vicente e residente em Portugal há mais de 30 anos, como um “pai” da música e a “rocha” (pela sua compleição física, alta e forte). Designaram-no para o público como a “voz que levou Cabo Verde a Portugal e ao mundo, cimentando a lusofonia”.




Post your comment

Related Articles

RSS